sexta-feira, junho 23, 2017

De acordo com as Nações Unidas, o mundo terá 9,8 bilhões de pessoas em 2050

A população mundial tem atualmente quase 7,6 bilhões, em comparação com as 7,4 bilhões em 2015. 

Esse número é estimulado pelas taxas de fertilidade relativamente altas nos países em desenvolvimento – apesar de uma queda geral no número do nascimento de crianças em todo o mundo. 

Os dados estão em um documento publicado pela ONU nessa semana.




A concentração do crescimento da população mundial está nos países mais pobres, segundo o relatório “Perspectivas da População Mundial: Revisão de 2017”, o que representa um desafio enquanto a comunidade internacional busca implementar a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável cujo objetivo é acabar com a pobreza e preservar o planeta.
“Com quase 83 milhões de pessoas que a população mundial aumenta a cada ano, espera-se que a tendência ascendente em tamanho da população continue, inclusive supondo que as taxas de fertilidade continuarão diminuindo”, afirmam os autores do relatório produzido pelo Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU.
Nesse ritmo, espera-se que a população mundial chegue a 8,6 bilhões em 2030, 9,8 bilhões em 2050 e que supere os 11,2 bilhões em 2100.
Espera-se que o crescimento venha, em parte, dos 47 países menos desenvolvidos, onde a taxa de fertilidade é em torno de 4,3 nascimentos por mulher, e onde se espera que a população chegue a 1,9 bilhão em 2050 em comparação ao atual estimado de um bilhão.
Além disso, populações de 26 países africanos são propensas a “pelo menos dobrar” até 2050, segundo o relatório.
Essa tendência surge apesar das baixas taxas de fertilidade em quase todas as regiões do mundo, incluindo a África, onde as taxas caíram de 5,1 nascimentos por mulher de 2000 a 2005 a 4,7 nascimentos de 2010 a 2015.
Em contraste, a taxa de natalidade em Europa era de 1,6 nascimento por mulher entre 2010 e 2015, em comparação aos 1,4 entre 2000 e 2005.
“Entre 2010 e 2015, a fertilidade esteve abaixo do nível de substituição em 83 países, compreendendo 46% da população mundial”, afirma o relatório.
As baixas taxas de fertilidade estão resultando em um envelhecimento da população, com a expectativa de que o número de pessoas com 60 anos ou mais podendo duplicar (ou mais que duplicar) em 2050, e triplicar 2100, dos atuais 962 milhões a 3,1 bilhões.
É projetado que a África, que detém a distribuição mais jovem que qualquer outra região, passe por um envelhecimento rápido de sua população, aponta o relatório.
“Embora a população africana se mantenha relativamente jovem durante várias décadas mais, é esperado que a porcentagem da população com 60 anos ou mais aumente de 5% em 2017 a cerca de 9% em 2050, e a quase 20% até o final do século”, escrevem os autores.
Entre outras tendências populacionais retratadas no relatório, a população da Índia, que atualmente aparece no ranking como o segundo país mais populoso do mundo com 1,3 bilhão de habitantes, superará os 1,4 bilhão de cidadãos chineses em 2024.
Em 2050, o terceiro país mais populoso será a Nigéria, que aparece hoje no sétimo lugar e que deve ocupar o lugar dos Estados Unidos.
O relatório também aponta para o impacto dos fluxos de imigrantes e refugiados entre países, particularmente o impacto da crise de refugiados da Síria e da saída estimada de 4,2 milhões de pessoas entre 2010 e 2015.
O documento diz ainda que, embora a migração internacional nos níveis atuais ou aproximados seja insuficiente para compensar totalmente a perda esperada de população ligada aos baixos níveis de fertilidade, especialmente na região europeia, “o deslocamento de pessoas entre países pode ajudar a atenuar algumas das consequências adversas do envelhecimento populacional”, escrevem os autores.
Acesse o relatório clicando aqui 
Notícia publicada por ONU/Brasil 



 

segunda-feira, junho 19, 2017

Doar sangue em emergências: " O que se pode fazer? Doe sangue. Doe agora. Doe com frequencia"

Fonte da imagem

Este é o tema de 2017 para o Dia Mundial do Doador de sangue.

O Dia Mundial do Doador de Sangue foi criado em 2004 em Johannesburg na África do Sul.


O dia foi escolhido por ser a data de nascimento de Karl Landsteiner (14 de junho de 1868) médico e biólogo austríaco que desenvolveu o sistema de classificação de grupos sanguíneos em 1900. 

Sua descoberta possibilitou que transfusões sanguíneas pudessem ser realizadas com mais segurança.

Em 1930, Karl Landsteiner recebeu o prêmio Nobel em fisiologia e Medicina.

O dia 14 de junho deve sempre ser usado para sensibilizar as comunidades da importância da doação de sangue de forma voluntária e não remunerada.

A disponibilidade de sangue seguro para transfusão muitas vezes significa a diferença entre a vida e a morte.

Add caption
Quem pode doar sangue:
  • Pessoas saudáveis com idades entre 17 e 67 anos e com peso superior a 50 kg
  • Mulheres podem doar sangue menstruadas e em uso de anticoncepcionais
  • Homens que não tenham doado sangue há menos de 90 dias
  • Mulheres que não tenham dado sangue há menos de 120 dias
Quem não pode doar sangue:

  • Pessoas que sejam usuárias de drogas
  • Pessoas em uso de medicamentos controlados
  • Homens e mulheres que tenham muitos parceiros sexuais e que não utilizem o preservativo
  • Pessoas com tatuagens ou piercings feitos a menos de um ano
  • Pessoas que tenham se submetido a tratamento por acumpuntura a menos de um ano
  • Pessoas que tenham recebido transfusões de sangue há menos de um ano
  • Pessoas que se submeteram a procedimento cirúrgico há menos de seis meses
  • Ingestão de bebidas alcoolicas nas 24 horas precedentes à doação
  • Indíviduos portadores de doenças infectocontagiosas como sífilis, doença de Chagas e HIV (I ou II), malária ou epilepsia, diabetes, hipertensão grave ou câncer
  • Indivíduos portadores do vírus da Hepatite B e/ou Hepatite C – VHB, VHC
  • Indíviduos que tenham realizado um transplante
  • Indivíduos que tenham realizado um tratamento com hormônios de crescimento
  • Indivíduos com história familiar de Doença de Creutzfeldt-Jakob (doença da vaca louca)

    Fonte da imagem

Não se esqueça de se alimentar após a doação


Doação de sangue em fatos

1) Mais de 107 milhões de pessoas doam sangue em todo o mundo. A maioria voluntários.
 
2) Aproximadamente metade destas doações são realizadas em países desenvolvidos, o que correspondendo a 15% da população mundial.

3) No entanto só 30 milhões destes doam sangue uma só vez.

4) Nos países em desenvolvimento, 65% das transfusões de sangue são administradas a crianças menores de cinco anos de idade.

5) Nos países desenvolvidos as transfusões sanguíneas são mais frequentes nas pessoas acima de 65 anos de idade.

6) Espera-se que até 2020, 100% das doações de sangue em todo o mundo sejam feitas de forma voluntária e não remunerada
  
Doe sangue, não custa nada e você pode salvar uma vida





Bibliografia:
 
c)www.hemobanco.com.br/sangue.htm

sexta-feira, junho 16, 2017

Brasil está em 61ª posição no que concerne o acesso às Tecnologias de Informação e COmunicação (TIC)

Novo ranking de uso e acesso às tecnologias da informação e comunicação (TICs) publicado pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) coloca a Coreia do Sul em primeiro lugar entre as economias mais avançadas do mundo na esfera das TICs, seguida por Dinamarca, Islândia e Reino Unido. 

O Brasil ficou em 61º lugar, uma melhora frente ao ranking de 2010, quando estava na 73ª posição.
Relatório da UIT ainda vê profundas desigualdade no acesso
às tecnologias de informação e comunicação entre os países
desenvolvidos e em desenvolvimento. Foto: EBC

Novo relatório publicado na sexta-feira (9 de junho) pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) mostra que a disseminação das tecnologias da informação e comunicação (TICs) continua aumentando no mundo todo, estimulada por uma redução progressiva do preço dos serviços de telefonia e Internet em banda larga.
Os dados do relatório anual “UIT Medição da Sociedade da Informação 2015” colocam a Coreia do Sul em primeiro lugar entre as economias mais avançadas do mundo na esfera das TICs, seguida por Dinamarca, Islândia e Reino Unido. O Brasil ficou em 61º lugar, uma melhora frente ao ranking de 2010, quando estava na 73ª posição.
Dos dez países que lideram o ranking, oito são europeus. Os dois restantes estão na região da Ásia-Pacífico, com a Coreia do Sul em primeiro lugar e Hong Kong em nono. O Reino Unido passou da décima para a quarta colocação entre 2010 e 2015, enquanto a Suécia passou da segunda para a quinta posição.
O Índice de Desenvolvimento das TIC (IDI) dá uma pontuação para 167 países em função de seu nível de uso e acesso às TICs, e faz uma comparação entre os dados de 2010 e 2015. A maior parte dos países entre os 30 primeiros do ranking são de alta renda, o que mostra uma clara relação entre renda e avanço das TICs, disse a UIT.
A proporção da população global coberta pelas redes de celular está agora em 95%, enquanto o número de linhas de celular subiu de 2,2 bilhões em 2005 para estimadas 7,1 bilhões em 2015.
“O crescimento da penetração dos celulares no mundo todo desacelerou, enquanto o número de linhas se aproxima do número da população global, apesar de ainda haver espaço para o acesso universal avançar nos países em desenvolvimento”, disse o documento.
O número de assinaturas de banda larga móvel no mundo subiu de 800 milhões em 2010 para estimadas 3,5 bilhões em 2015. O número de assinaturas de banda larga fixa teve um avanço menor, para estimados 800 milhões atualmente.
Enquanto a cobertura da rede 3G cresceu de 45% para 69% da população mundial entre 2011 e 2015, essas redes permanecem ausentes de muitas áreas rurais em países pobres, especialmente na África.
Existem grandes diferenças entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento, pois os valores do IDI chegam a ser em média duas vezes mais altos no mundo desenvolvido, segundo o documento.
O relatório indica o grupo de países com os níveis mais baixos de IDI — os chamados países menos conectados — e enfatiza a necessidade de que os tomadores de decisões e formuladores de políticas públicas prestem atenção especial a esse grupo.
Entre os países com menores índices estão Chade, Eritreia, Etiópia, Madagascar, Malauí, Guiné-Bissau, Sudão do Sul, República Democrática do Congo, Burkina Faso e Moçambique.
O Brasil está entre os países intermediários, com um IDI de 6,03 pontos. Outros países latino-americanos estão à frente do Brasil no ranking, como Argentina (52º lugar), Chile (55º lugar) e Uruguai (49º lugar).
A UIT alerta que além da diferença entre os países, há uma desigualdade digital dentro das nações, particularmente entre áreas rurais e urbanas. Em 2015, apenas 29% da população rural mundial era coberta por rede de Internet móvel 3G. As desigualdades também ocorrem entre o acesso de homens e mulheres e entre populações de baixa e alta renda.
No início de 2015, 111 economias (de um total de 160 com dados disponíveis) atingiram a meta de manter o custo dos serviços de banda larga abaixo de 5% da renda mensal média do país. No entanto, segundo a UIT, 22 países em desenvolvimento ainda têm preços de banda larga representando mais de 20% da renda média mensal.
“Essas conclusões indicam que um progresso significativo foi atingido rumo à acessibilidade, mas são necessárias mais medidas regulatórias e políticas para garantir reduções continuadas de preços para atingir as metas, particularmente nos países em desenvolvimento”, afirmou o documento.
Segundo o relatório, entre 2013 e 2014, os preços da telefonia continuaram a cair tanto nos países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento, tanto em termos absolutos como relativos, apesar de a queda ter sido menor que a registrada em anos anteriores.
O Relatório completo pode ser acessado AQUI.
Notícia publicada em ONU Brasil
 

quarta-feira, junho 14, 2017

Cinco Chaves para uma alimentação mais segura

1) Mantenha a Limpeza
 
2) Separe os alimentos crus de alimentos cozidos

3) Cozinhe bem os alimentos

4) Mantenha os alimentos a temperaturas seguras


5) Use água e matérias-primas seguras




 

A nutrição é a base para a saúde e o desenvolvimento.

Uma boa alimentação contribui para um bom sistema imunológico, menos doenças e mais saúde para individuos de todas as idades.


Uma criança saudável aprende melhor, assim como um individuo saudável é mais forte, mais produtivo e mais preparado para enfrentar as dificuldades do dia a dia.


Atualmente o mundo enfrenta uma grave crise na produção e na seguança alimentar resultado do aumento do preço dos alimentos e da menor produção agricola. Controversalmente encontra-se um aumento nos índice de pessoas obesas.



Porque?


Abaixo destacam-se 10 pontos-chave para uma boa
nutrição e alimentação



1. A desnutrição é a grande responsável pela maioria das doenças no mundo. Mais de um terço das mortes na infância estão relacionadas à desnutrição e a pobreza.




2. Um dos indicadores chave para a desnutrição crônica é deficit de crescimento. Quer dizer, crescimento abaixo do percentil para a idade comparado com o gráfico de crescimento da OMS.
Cerca de 178 milhões de crianças estão abaixo do percentil para a idade, resultado da ausencia de alimentação adquada, deficit de vitaminas e sais minerais e exposição à doenças.
Com o desenvolvimneto prejudicado, o cérebro também nao se desenvolve adequadamente e o deficit de crescimento contribui para a dificuldade de aprendizagem. O maior índice de retardo de crescimento infantil está na Africa e Asia. Considera-se que 41% das crianças estão afetads no sudeste e centro da Ásia.



3. O desperdício pode ser considerado como uma das formas mais severas da má nutrição resultado de um déficit importante na alimentação, associado com doenças debilitantes.
Cerca de 1.5 milhões de crianças morrem anualmente devido ao desperdício de alimentos.
O aumento no preço dos alimentos e sua escassez em áreas de conflito e desastres naturais, dificulta o acesso à alimentos adequados prejudicando a nutrição e contribuindo para o defict de crescimento.
O desperdício de alimentos demanda intervenções urgentes para poder salvar vidas.

4.Fome oculta é a falta de vitaminas e sais minerais essenciais na dieta. Vitaminas e sais minerais são importantes para o desenvolvimento imunitário e o crescimento e desenvolvimento saudáveis.
A falta de vitamina A, zinco, ferro e iodo são um dos principais probelmas de saúde pública. Cerca de 2 bilhões de pessoas são afetadas pela deficiencia de iodo em todo o mundo e a deficiencia de vitamina A está associada com a morte de mais de meio milhão de crianças abaixo de 5 anos de idade por ano.


5. O aumento do peso e a obesidade são um dos maiores desafios a serem enfrentados pela saúde pública . Individuos de todas as idades e culturas sofrem deste tipo de má nutrição. Como consequencia, os índices de diabetes e outras enfermidades ligadas à alimetação aumentam a cada ano, até mesmo nos países em desenvolvimento. Alguns países desenvolvidos já apresentam índices de excesso de peso em crianças acima de 20%.


6.Uma boa alimentação durante a grávidez assegura um bebê saúdavel.
A OMS recomenda o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida como a única fonte de alimentação. A introdução de alimentos adequados e seguros deve ser feita à partir dos 6 meses de vida. O aleitamento deve durar até o segundo ano de vida.
Cerca de 20% das mortes de crianças com menos de 5 anos poderiam ser evitadas através de uma alimentação adquada.
Uma boa nutrição diminui o retardo de crescimento e a obesidade estimulando o intelecto e o desenvolvimento da criança.

7.Problemas nutricionais em adolecentes e jovens começam na infância e continuam até a idade adulta. A anemia afeta principalmente as adolescentes.
A prevenção da gravidez precoce e uma alimentação adequada durante a adolescencia contribuem para a redução das mortes maternas e do bebê interrompendo assim o ciclo de desnutrição de uma geração para outra.
A adolescência é o periodo ideal para desenvolver bons hábitos alimentícios e para o desenvolvimento de uma atividade física regular.


8.Uma má nutrição ligada ao sedentarismo aumenta os riscos de doenças crônicas tais como: doenças cardiovasculares, cancer, diabetis e outras enfermidades crônicas.
A expectativa de vida ao nascer está crescendo: A população idoso irá passar de 700 milhões para 1 bilhão até 2020.
Uma nutrição saudável na terceira idade será um fator crítico para a saúde mundial.


9. Obter informações precisas sobre o estado nutricional das crianças é de extrema importância para a identificação de áreas prioritárias. Em 2006, a OMS publicou o relatório internacional de crescimento infantil como uma forma de comparar o estado nutricional dentro dos países e regiões.



10.A educação é outra maneira de melhorar a saúde nutricional. Durante os Jogos Olímpicos de Pequim, a OMS e os estados membros promoverão "As 5 chaves" para uma alimentação saudável. Este programa se extenderá aos outros países:




1) Amamente o bebê exclusivamente até os 6 meses de idade
2) Coma comidas varidas
3)Coma bastante frutas e vegetais
4) Coma gorduras e oleos moderadamente
5) coma menos sal e açucar


Maiores detalhes sobre "As cinco chaves para uma alimentação mais segura"
http://docs.google.com/fileview?id=F.415be714-5725-4de3-b0b1-c0438fe23346


Maiores informações sobre nutrição: http://www.who.int/features/factfiles/nutrition/en/index.html


segunda-feira, junho 12, 2017

Porque o dia 12 de junho é o Dia dos Namorados?

No Brasil, o dia 12 de junho foi escolhido para ser o Dia dos Namorados, pois é véspera do dia de Santo Antônio, o Santo Casamenteiro.

O Frei português Fernando de Bulhões (Santo Antônio), ficou conhecido como “santo casamenteiro”, pois em suas pregações religiosas sempre mencionava a importância do amor, do casamento e da família.


Em 1949, o comerciante João Dória trouxe para o Brasil a ideia de comemorar este dia, como forma de aumentar as vendas do comércio.


A ideia foi imediatamente aceita, e como fogo em palha tornou-se uma tradição.

Neste dia é comum a troca de cartões com corações e juras de amor, assim como a oferta de rosas vermelhas e bombons de chocolate.
Nos países do hemisfério norte, o dia dos namorados é comemorado no dia 14 de fevereiro, ou dia de SAINT VALENTIN.


Seja lá em que dia você vai comemorar o dia dos namorados, não se esqueça da camisinha!




Fonte:

sexta-feira, junho 09, 2017

O que você faz com seu lixo?

Nas praias do Rio de Janeiro, são recolhidas cerca de 150 toneladas de lixo nas praias em uma semana, no período do verão. 

Uma parte desses resíduos – incluindo muitas garrafas de plástico – acaba indo para os oceanos. 

Confira nessa matéria do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).



Nessa semana a ONU realizada a Conferência sobre os Oceanos, para apoiar a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14: conservar e utilizar de forma sustentável os oceanos, os mares e os recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável; acompanhe em http://nacoesunidas.org/tema/ods14 e #SaveOurOcean.

Dia da Língua Portuguesa - 10 de junho

Dia da Língua Portuguessa